Usos da terra e potencial de regeneração natural da vegetação nativa na bacia do rio Apeú, Castanhal, Pará

Palavras-chave: Análise espacial, Região bragantina, Restauração passiva

Resumo

A região Bragantina, no Pará, onde está inserido o município de Castanhal, é uma das regiões mais antigas de colonização da Amazônia cuja paisagem foi totalmente modificada pela ação do Homem. Este trabalho objetivou analisar os usos da terra predominantes e o potencial do uso da regeneração natural para a restauração florestal na Bacia Hidrográfica do Rio Apeú (BHRA), localizada no município de Castanhal.  O estudo utilizou as técnicas de sensoriamento remoto e geoprocessamento para o mapeamento e classificação da imagem de satélite Landsat-8 do ano 2017. O tratamento e análise dos dados, confecção e edição do mapa de uso e cobertura foram realizados no software ArcGis versão 10.1. As áreas com regeneração natural somam 18,22% - considerando pasto sujo e vegetação secundária - e são consideradas áreas em processo de sucessão. Encontrou-se um pouco mais de 20% de áreas destinadas ao uso agropecuário e 20% de áreas com solo expostos e isso deve-se à crescente urbanização. A análise na BHRA evidencia que as florestas primárias conservadas e degradadas dominam 47% do território da bacia. Desta forma, o percentual de vegetação secundária e pasto sujo indicam que a região possui médio potencial para a regeneração natural para fins de restauração.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karen Cibelle Lameira da Silva, Sra., Universidade Federal Rural da Amazônia

Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), Av. Perimetral 1901, 66530-070, Belém, PA, Brasil.
Museu Paraense Emílio Goeldi, Av. Magalhães Barata 376, São Braz, 66040-170, Belém, PA, Brasil.

Wendell Vilhena de Carvalho, Sr., Universidade Federal Rural da Amazônia

Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), Av. Perimetral 1901, 66530-070, Belém, PA, Brasil.
Museu Paraense Emílio Goeldi, Av. Magalhães Barata 376, São Braz, 66040-170, Belém, PA, Brasil.

Ima Célia Guimarães Vieira, Dra., Museu Paraense Emilio Goeldi

Museu Paraense Emílio Goeldi, Av. Magalhães Barata 376, São Braz, 66040-170, Belém, PA, Brasil.

Denise Cristina Torres Costa, Msc., Universidade do Estado do Pará

Universidade do Estado do Pará (Uepa), Centro de Ciências Naturais e Tecnologia, Travessa Dr. Enéas Pinheiro 2626, 66095-015, Marco, Belém, PA, Brasil.

Referências

ALMEIDA, A. S. D. E.; VIEIRA, I. C. G. Conflitos no uso da terra em Áreas de Preservação Permanente em um polo de produção de biodiesel no Estado do Pará. Ambiente e Água, Taubaté, v. 9, n. 3, p. 476-487, 2014.

ALMEIDA, C. A., COUTINHO, A. C.; ESQUERDO, J. C. D. M.; ADAMI, M.; VENTURIERI, A.; DINIZ, C.G.; DESSAY, N.; DURIEUX, L.; GOMES, A. R. High spatial resolution land use and land cover mapping of the Brazilian Legal Amazon in 2008 using Landsat-5/TM and MODIS data. Acta Amazonica, Manaus, v. 46, n. 3, p. 291-302, 2016.

BENATI, K. R.; AZEVEDO JUNIOR, C. C. D..; PERES, M. C. L. Influência do isolamento de pequenos fragmentos de mata atlântica sobre a abundância de isópodes terrestres (isopoda: oniscidea) – Bahia, Brasil. In: SEMANA DE MOBILIZAÇÃO CIENTÍFICA, 22., 2019, Salvador. Anais […]. Salvador: Universidade Católica de Salvador, 2019.

BRASIL. Lei nº 9.985, 18 de julho de 2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção Poder Executivo, Brasília, DF, ano 137, p. 1 19 jul. 2000. Disponível em: https://bit.ly/33OOBtp. Acesso em: 14 jan. 2020

BRASIL. Lei Federal nº 12.727 de 18 de Outubro de 2012. Altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, que dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; e revoga as Leis nº 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, a Medida Provisória nº 2.166-67, de 24 de agosto de 2001, o item 22 do inciso II do art. 167 da Lei nº 6.015, de 31 de dezembro de 1973, e o § 2 do art. 4 da Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 1, 18 out. 2012.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente; Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; Ministério da Educação. PLANAVEG: Plano Nacional de Recuperação da Vegetação Nativa. Brasília, DF: MMA, 2017.

BRIENZA JÚNIOR, S. Enriquecimento de florestas secundárias como tecnologia de produção sustentável para a agricultura familiar. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi. Ciências Naturais, Belém, v. 7 n. 3, p. 331-337. 2012.

CHAZDON, R. L. Regeneração de florestas tropicais. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciencias. Naturais, Belém, v. 7, n. 3, p. 195-218, 2012.

CORDEIRO, M. C. C.; RANGEL-VASCONCELOS, L. G. T.; SCHWARTZ, G.; OLIVEIRA, F. A. O. Nordeste Paraense: panorama geral e uso sustentável das florestas secundárias. Belém: EdUfra, 2017.

COSTA, A. P. R.; CANDEIAS, A. L. B. Método de classificação não supervisionada por empilhamento no espaço de atributos. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 14., 2009, Natal. Anais […]. Natal: Ministério da Ciência e Tecnologia, 2009. p. 6845-6852.

DIAS, G. F. M.; LIMA, A. M. M.; SANTOS, M. N. S. As mudanças no uso e cobertura da terra e o comportamento hidrológico da bacia do rio Capim. Belém: NAEA, 2018. (Coleção Papers do NAEA, 390).

DIAS-FILHO, M. B. Degradação de pastagens: processos, causas e estratégias de recuperação. 4. ed. Belém: MBDF, 2011.

FEARNSIDE, P. M. Land-tenure issues as factors in environmental destruction in Brazilian Amazonia: the case of southern Pará. World Development, Amsterdam, v. 29, n. 8, p. 1361-1372, 2001

FERREIRA, J.; BLANC, L.; KANASHIRO, M; LEES, A. C.; BOURGOIN, C.; FREITAS, J. V.; GAMA, M. B.; LAURENT, F.; MOURA, N.; D’OLIVEIRA, M. V.; SOTTA, E. D.; SOUZA, C. R.; RUSCHEÇ, A. R.; SCHWARTZ, G.; ZWERTZ, J.; SIST, P. Degradação florestal na Amazônia: como ultrapassar os limites conceituais, científicos e técnicos para mudar esse cenário. Belém: Embrapa Amazônia Oriental, 2015. Disponível em: https://bit.ly/2vQ6UC2. Acesso em: 15 ago. 2018.

HUDSON, W. D.; RAMM, C. W. Correct formulation of the kappa coefficient of agreement. Photogrammetric Engineering and Remote Sensing, Maryland, v. 53, n. 4, p. 421-422, 1987.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS. Degrad: Mapeamento da Degradação Florestal na Amazônia Brasileira. 2015. Disponível em https://bit.ly/33HTvbD. Acesso em 15 de julho de 2019.

KANASHIRO, M.; DENICH, M. A. A vegetação secundária como vegetação de pousio na paisagem agrícola da Amazônia Oriental: função e possibilidades de manipulação em possibilidade de utilização e manejo adequado de áreas alteradas e abandonadas na Amazônia Brasileira. Sub-programa “Studies on Human Impact on Forests and Floodplain in the Tropics-SHIFT. Brasília: Ibama, 1998.

LAMEIRA, W. J. M.; VIEIRA, I. C. G.; TOLEDO, P. M. Análise da expansão do cultivo da palma de óleo no Nordeste do Pará (2008 a 2013). Novos Cadernos NAEA, Belém, v. 18, n. 2, 2015.

LANDIS, J. R.; KOCH, G. G. The measurements of observer agreement for categorical data. Biometrics, Boca Ratón, v. 33, p. 159-174, 1977.

LIMA, D.; PEREIRA, G. K.; RIBEIRO, S. R. A. Comparação entre os métodos de fusão IHS, principal components e gram-schmidt aplicados à imagem do satélite landsat 8 sensor oli. In: SEMANA DE GEOGRAFIA, 1., 2018, Ponta Grossa. Anais […]. Ponta Grossa: UEPG, 2018. p. 112-116.

MATOS, F. O.; CASTRO, R. M. S.; RUIVO, M. L. P.; MOURA, Q. L. Teores de Nutrientes do Solo sob Sistema Agroflorestal Manejado com e sem Queima no Estado do Pará. Floresta e Ambiente, Florianópolis, v. 19, n. 3, p. 257-266, 2012.

MENEZES, D. P. Regeneração florestal após desmatamento: estudo da região de Santarém, Pará, Brasil. 2017. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Universidade de São Paulo, SP, 2017.

OLOFSSON, P., FOODY, G. M.; HEROLD, M.; STEHMAN, S. V., WOODCOCK, C.E., WULDER, M. A. Good practices for estimating area and assessing accuracy of land change. Remote Sensing of Environment, Amsterdam, v. 148, p. 42–57, 2014. DOI: 10.1016/j.rse.2014.02.015

PEREIRA, C. A.; VIEIRA, I. C. G. A Importância das Florestas Secundárias e os Impactos de sua substituição por plantios mecanizados de grãos na Amazônia. Interciência, Santiago, v. 26, n. 8, p. 337-341, 2001.

PEREIRA, B. W. F.; JESUIN, S. A. MACIEL, M. N. OLIVEIRA, F. A.; CREÃO, O. L. G. C. Fragmentação da vegetação arbórea na bacia hidrográfica do Rio Apeú, Nordeste do Estado do Pará. Revista de Ciências Agrárias, Belém, v. 55, n. 4, p. 297-305, 2012.

POORTER, L.; BONGERS, F., AIDE, T. M.; ALMEYDA ZAMBRANO, A. M.; BALVANERA, P.; BECKNELL, J. M.; BOUKILI, V.; BRANCALION, P. H.; BROADBENT, E. N.; CHAZDON, R. L.; CRAVEN, D.; ALMEIDA-CORTEZ, J.S.; CABRAL, G.A ; JONG, B. H.; DENSLOW, J. S.; DENT, D. H.; DEWALT, S. J.; DUPUY, J. M.; DURÁN, S. M.; ESPÍRITO-SANTO, M. M.; FANDINO, M. C.; CÉSAR, R. G.; HALL, J. S.; HERNANDEZ-STEFANONI, J. L.; JAKOVAC, C. C.; JUNQUEIRA, A. B.; KENNARD, D.; LETCHER, S. G.; LICONA, J. C.; LOHBECK, M. 1.; MARÍN-SPIOTTA, E.; MARTÍNEZ-RAMOS, M.; MASSOCA, P.; MEAVE, J. A.; MESQUITA, R.; MORA F.; MUÑOZ R.; MUSCARELLA, R.; NUNES, Y. R.; OCHOA-GAONA, S.; DE OLIVEIR, A. A.; ORIHUELA-BELMONTE, E.; PEÑA-CLAROS, M.; PÉREZ-GARCÍA, E. A.; PIOTTO, D.; POWERS, J. S.; RODRÍGUEZ-VELÁZQUEZ, J.; ROMERO-PÉREZ, I. E.; RUÍZ, J.; SALDARRIAGA, J. G.; SANCHEZ-AZOFEIFA, A.; SCHWARTZ, N. B.; STEININGER, M. K.; SWENSON, N. G.; TOLEDO, M.; URIARTE, M.; VAN BREUGEL, M.; VAN DER WAL, H.; VELOSO, M. D.; VESTER, H. F.; VICENTINI, A.; VIEIRA, I. C.; BENTOS, T.; WILLIAMSON, G. B.; ROZENDAAL, D. M. Biomass resilience of Neotropical secondary forests. Naturei, [s. l.], n. 530, p. 211-214, 2016.

QUARESMA, L. A. B.; MAIA, M. O. A Estrada de Ferro Belém-Bragança (EFB): memórias e usos para além da integração. RITUR, Penedo, v. 9, n. 1, p. 62-79, 2019.

RIBEIRO, M. C.; METZGER, J. P.; MARTENSEN, A. C.; PONZONI, F. J.; HIROTA, M. M. The Brazilian Atlantic Forest: how much is left, and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation. Biological Conservation, Amsterdam, v. 142, n. 6, p. 1141-1153, 2009.

SANTOS, O. C. O. Análise do uso do solo e dos recursos hídricos na microbacia do igarapé Apeú, nordeste do Estado do Pará. 2006. Dissertação (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

SOS FLORESTAS. O código florestal em perigo: entenda o que está em jogo com a reforma da nossa legislação ambiental. SOS Florestas: [S.l.], 2011 Disponível em: https://bit.ly/2WFqThH. Acesso em: 14 de jan. 2020.

SOUZA, S. R.; MACIEL, M. N. M.; OLIVEIRA, F. A.; JESUÍNO, S. A. Dinâmica da paisagem na bacia hidrográfica do Rio Apeú, nordeste do Pará, Brasil. Revista Acadêmica: Ciências Agrárias e Ambientais, Curitiba, v. 9, n. 2, p. 141-150, 2011.

VALE, J. R. B. Análise geoambiental da bacia hidrográfica do rio Apeú, nordeste paraense: subsídios ao planejamento ambiental. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Pará, 2017.

VALENTE, M. V.; SILVA, J. M. L.; RODRIGUES, T. E.; CARVALHO, E. J. M.; ROLIM, P. A. M.; SILVA E. S.; PEREIRA, I. C. B. Zoneamento agroecológico das terras do município de Castanhal, Estado do Pará. Belém: Embrapa, 2001. (Coleção Embrapa: Amazônia Oriental, documento 119).

VIEIRA, I. C. G.; ALMEIDA, A. S. Dinâmica de uso da terra e regeneração de florestas em um apaisagem antropizada do leste do Pará. In: PERES, C.; BARLOW, J.; GARDNER, T.; VIEIRA, I. C. G. (Org.). Conservação da Biodiversidade em Paisagens Antropizadas do Brasil. Curitiba: Editora UFPR, 2013. v. 1, p. 83-93.

VIEIRA, I. C. G.; GARDNER, T. A. Florestas secundárias tropicais: ecologia e importância em paisagens antrópicas. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi de Ciências Naturais, Belém, v. 7, n. 3, p. 191-194, 2012.

VIEIRA, I. C. G.; GARDNER, T.; FERREIRA, J.; LEES, A. C.; BARLOW, J. Challenges of governing second-growth forests: A case study from the Brazilian Amazonian State of Pará. Forests, Basel, v. 5, n. 7, p. 1737-1752, 2014a.

VIEIRA, I. C. G. Teoria ecológica e a interdisciplinaridade em estudos ambientais. In: SANTOS JÚNIOR, R. A. O.; TOLEDO, P. M.; VIEIRA, I C. Ambiente e Sociedade na Amazônia: uma abordagem interdisciplinar. Rio de Janeiro: Garamond, 2014b. p. 13-21. v. 1.

VIEIRA, I. C. G.; FERREIRA, J.; SALOMÃO, R. P.; BRIENZA JUNIOR, S. Potencial de Regeneração natural da Vegetação na Amazônia. [S. l.: s.n.], 2018.

VIEIRA, I. C. G.; TOLEDO, P. M.; ALMEIDA, A. S. Análise das modificações da Paisagem da Região Bragantina, no Pará integrando diferentes escalas de tempo. Ciência e Cultura, São Paulo, n. 59, p. 27-30, 2007.

VIEIRA, I. C. G.; TOLEDO, P. M.; SILVA, J. M. C.; HORÁCIO, H. Deforestation and threats to the biodiversity of Amazonia. Brazilian Journal of Biology, São Carlos, v. 68, p. 631-637, 2008. doi: 10.1590/S1519-69842008000500004.

WATRIN, O. S.; GERHARD, P.; MACIEL, M. N. M. Dinâmica de uso da terra e configuração da paisagem em antigas áreas de colonização de base econômica familiar, no nordeste do Estado do Pará. Geografia, Rio Claro, v. 34, n. 3, p. 455-472, 2009.

Publicado
2020-06-29
Seção
Artigos Científicos